Antropologia, turismo de natureza e suas conexões – III

DSCN1060

À semelhança das semanas anteriores, revelo aqui mais umas ‘pistas’ acerca da (possível) relação entre a antropologia e o turismo de natureza.

O que significa o turismo nos espaços naturais? Como é que se conceptualiza?

Para Fredman e Tyrväinen (2011) não existe uma definição consensual e consistente de turismo nos espaços naturais devido à dificuldade em separar os recreacionistas dos turistas e, ainda, em distinguir a actividade específica dos serviços mais amplos associados a essa actividade.

O turismo de natureza ou nos espaços naturais é uma categoria abrangente que apresenta alguns elementos de diversas formas de turismo tal como o ecoturismo, o turismo de aventura e o turismo sustentável. “Pode ser entendido como “tourism experience in nature, activity-based but with differing levels of involvement and physical engagement” (Vespestad e Lindberg, 2010:04).

Rinne e Saastamoinen afirmam que o turismo nos espaços naturais significa “visiting places in which natural amenities and characteristics are the most important attraction and/or tourist activities are situated and performed in a natural environment” (Rinne e Saastamoinen, 2005:90).

Valentine (1992) por seu turno menciona que o turismo está relacionado com o desfrute de alguns elementos da natureza, evidenciando-se aqui o elemento recreativo. As experiências e actividades tidas no seio deste segmento basear-se-ão na apreciação da natureza e, ainda, na medida em que as experiências de viagem dependerão da natureza.

As definições apresentadas anteriormente mostram que o turismo nos espaços naturais está associado a actividades de lazer que ocorrem em diferentes espaços, e os elementos chave são os visitantes e as experiências de ou na natureza.

(…)

Anúncios

A importância das campanhas promocionais e dos imaginários

Numa aula de Imaginários Turísticos discutia-se a importância das campanhas promocionais, dos imaginários como elementos fulcrais na escolha de determinado destino. Hoje deparo-me com um exemplo que poderá ser um case-study daqui a umas semanas. A DRT lançou recentemente uma campanha no Canal Eurosport no qual se promove a Ilha da Madeira como destino activo. Poderia teorizar sobre isto mas não é o momento. O que sobressai é efectivamente um vídeo no qual se mostram as inúmeras potencialidades de um destino, o qual foi objecto da minha tese de doutoramento. E posso finalmente dizer, que este video é suficiente para chamar os ‘walkers’ e/ou ‘hard-walkers’ dos vários mercados.

I Colóquio Internacional “(Des)Memória do Desastre – Livro de Resumos

1380220_206824059495013_1908705224_n

Já se encontra disponível o livro de resumos e de notas curriculares do I Colóquio Internacional  “(Des)Memória do Desastre.

Mais informações no site do Colóquio.

Dois terrenos, duas fotos

Os meus terrenos sempre se situaram na mesma área geográfica (a ilha da Madeira) por várias razões. Uma delas prende-se com o fascínio em ‘exercer’ uma ‘Antropologia em casa’. Eu gosto de viajar em terrenos tão distantes e familiares em simultâneo.

Em ambos os terrenos e, no decurso do trabalho de campo, os registos visuais desempenharam um auxilio valioso no registo de momentos, espaços, culturas materiais, patrimónios, pessoas, etc. Perdi a conta às inúmeras fotografias tiradas quer entre 2004-2005 quer entre 2008-2010.

Foi-me solicitado no âmbito de uma Mostra Fotográfica a escolha de fotografias que de alguma forma fossem representativas dos meus terrenos. A escolha não foi fácil, pois de entre centenas há que fazer uma selecção criteriosa.
 Ficam aqui duas de cinco.

1) Há muitas histórias para contar sobre a mesma. Assim à primeira vista pode parecer algo desinteressante mas, e se eu vos disser que esta foto representa parte de uma longa narrativa associada à ‘Luta da Água’ que ocorreu na Madeira na década de 60. Que o canal mais largo pertence ao estado e que o canal mais pequeno foi construido por uma comissão de heréus (regantes) com o objectivo de transportar a sua água. Há tanto, tanto para contar…

 Imagem

2) A foto que se segue pertence ao meu 2º terreno situado na mesma área geográfica. Se antes a memória da água foi rainha, se analisei conflitos e práticas diárias de uma comunidade de regantes, no segundo momento debruçar-me-ia sobre a patrimonialização das levadas. Sobre isto há muito para falar. A tese de Doutoramento é apenas mais um exemplo.
(sobre a Foto: Levada do Rei, Madeira Walking Festival, janeiro de 2010).

Imagem

 

Mostra fotográfica ‘Os Terrenos da Antropologia’ em exibição no ISCSP

Estará patente entre os dias 14 e 30 de Outubro uma Mostra fotográfica “Os Terrenos da Antropologia“, no hall de entrada do ISCSP. A entrada é livre. Esta mostra fotográfica é uma iniciativa conjunta do MOBcid e da Unidade de Coordenação de Antropologia do ISCSP.

“O trabalho de campo é habitualmente referido como a característica mais distintiva da disciplina antropológica. A sua realização implica, desde logo, a necessidade de construção do terreno, um processo complexo, cuja exigência vai muito para além da escolha de um local. É uma experiência intersubjetiva, que pressupõe o envolvimento do antropólogo com espaços, acontecimentos e pessoas.

A mostra fotográfica ‘Os Terrenos da Antropologia’ evoca precisamente essa trilogia e a sua relevância. Nela estão reunidas quarenta e nove fotografias, que reproduzem nove terrenos antropológicos, em contextos nacionais e internacionais, rurais e urbanos, com grupos e culturas muito diversas, evidenciando dessa forma, as amplas possibilidades da abordagem etnográfica”.

terrenos_antropologia_mostra_foto_2013_iscsp_site

I Colóquio Internacional (Des)Memória do Desastre – Programa definitivo

Já se encontra disponível o Programa definitivo do I Colóquio Internacional “(Des)Memória de desastre”, o qual decorrerá nos próximos dias 18 e 19 de Outubro, no Funchal, ilha da Madeira.

Imagem

 

 

Mais informações no site oficial do evento.

 

 

 

 

viewer1

I Colóquio Internacional “(Des)Memória de desastre” – Programa provisório

Imagem

 

Já se encontra disponível o programa provisório do I Colóquio Internacional (Des)Memória do Desastre, o qual decorrerá nos próximos dias 18 e 19 de Outubro na Universidade da Madeira.

Mais informações aqui.