Conferência Turismo Solidário

11006404_828009230604440_8984999072378185110_n

Anúncios

Ciclo de Conferências do Ambiente

No próximo dia 15 de Novembro irá realizar-se um ciclo de conferências do Ambiente na FCSH/NOVA.

Organização:
Luís Silva (CRIA-FCSH/NOVA)
Paulo Mendes (UTAD; CRIA/ISCTE-IUL)

– Programa –
14:00 – 14:05 Abertura
Luís Silva (CRIA-FCSH/NOVA)
14:05 – 14:25 “Territórios sagrados”: O papel dos chimpanzés nas perceções da natureza em duas áreas
protegidas da Guiné-Bissau
Amélia Frazão (CRIA-FCSH/NOVA) e Cláudia Sousa † (CRIA-FCSH/NOVA)
14:25 – 14:45 Aproximações etnográficas sobre o projeto de rewilding na Faia Brava
Guilherme Sá (Universidade de Brasília)
14:45 – 15:05 Predadores: Relações e conservação a propósito da reintrodução do lince Ibérico
Margarida Lopes Fernandes (CRIA-FCSH/NOVA) e Amélia Frazão (CRIA-FCSH/NOVA)
15:05 – 15:25 Parques e pessoas: Naturezas e culturas
Humberto Martins (UTAD; CRIA/ISCTE-IUL)
15:25 – 15:45 Mercantilização do património, paisagem construída e um Parque Natural: O caso da ilha
da Madeira
Filipa Fernandes (ISCSP – UL)
15:45 – 16:00 Pausa para o que aprouver
16:00 – 16:20 Antropologia e história de um conflito ambiental na Beira Baixa
Pedro Gabriel Silva (UTAD; CETRAD)
16:20 – 16:40 Antropologia da energia e o problema das centrais fotovoltaicas em Portugal
Luís Silva (CRIA-FCSH/NOVA)
16:40 – 17:00 Participação pública nos processos de decisão sobre energias renováveis
Ana Delicado (ICS – UL)
17:00 – 17:20 Abundância sem limites? Representações do consumo de energia inscritas nos conteúdos
televisivos
Ana Horta (ICS – UL)
17:20 – 17:30 Pausa para o que aprouver
17:30 – 17:50 O que deveríamos saber sobre as alterações climática? Nada.
Paulo Mendes (UTAD; CRIA/ISCTE-IUL)
17:50 – 18:10 Os peixes grandes devoram os pequenos: a roda-da-fortuna e o poder moral do mar
Francisco Oneto (ISCTE-IUL; CRIA/ISCTE-IUL)
18:10 – 18:30 Apropriação social da natureza pela comunidade piscatória da Aguda:
Uma abordagem etnoecológica
Joana Agra (Universidade Lusófona do Porto; CRIA-FCSH/NOVA)
18:30 – 19:00 Debate final

Conferência Internacional INVTUR 2014 – nova data para submissão de trabalhos

Irá realizar-se entre 07 e 10 de Maio na Universidade de Aveiro a Conferência Internacional INVTUR 2014.

O objetivo da Conferência Internacional INVTUR 2014 é o de criar um espaço de debate sobre o impacte do turismo ao nível das áreas destino e sobre a forma como este pode introduzir novas formas de crescimento, desenvolvimento e inovação. O INVTUR é um congresso que entra agora na sua terceira edição. Este congresso tem lugar na Universidade de Aveiro, dentro de um campus universitário moderno e acolhedor, que os congressistas não se coíbem de enaltecer devido à sua organização e arquitectura marcantes. A beleza da cidade de Aveiro e os eventos sociais oferecidos em paralelo pela conferência contribuem igualmente para a criação de um cenário perfeito para uma estadia que os congressistas consideram habitualmente como sendo memorável”.

 

A conferência aceita artigos, resumos alargados e posters em áreas como:

 

» Antropologia do turismo;

 

» Gestão de destinos;

 

» Economia do turismo;

 

» Economia das experiências;

 

» Tourist gaze;

 

» Neo-colonialismo;

 

» Sociologia do turismo;

 

» Mobilidade;

 

» Educação;

 

» Geografia do turismo;

 

» Autenticidade;

 

» Cultura e património;

 

» Planeamento em turismo;

 

» Turismo pós-moderno;

 

» Comportamento do consumidor em turismo;

 

» Inovação em turismo;

 

» Regeneração / revitalização;

 

» Internacionalização do turismo;

 

» E-tourism e TIC;

 

» Novas formas de turismo.

 

 

 

Todos os trabalhos científicos estão sujeitos a revisão double-blind e, se aceites, serão publicados na Revista Turismo & Desenvolvimento. As línguas oficiais da conferência são o inglês e o português.

Os trabalhos deverão ser enviados até ao dia 30 de Janeiro. Para mais informações consultar o site oficial.

 

Trajectos Antropológicos na Universidade de Lisboa

Decorrerá nos próximos dias 05 e 06 de Dezembro no ISCSP e no ICS o evento “Trajectos Antropológicos na Universidade de Lisboa”. Uma boa oportunidade para se verificar o que de melhor se faz ao nível da investigação nas duas ‘casas’.

Apareçam, a entrada é livre.

 

Image

Antropologia, turismo de natureza e suas conexões – III

DSCN1060

À semelhança das semanas anteriores, revelo aqui mais umas ‘pistas’ acerca da (possível) relação entre a antropologia e o turismo de natureza.

O que significa o turismo nos espaços naturais? Como é que se conceptualiza?

Para Fredman e Tyrväinen (2011) não existe uma definição consensual e consistente de turismo nos espaços naturais devido à dificuldade em separar os recreacionistas dos turistas e, ainda, em distinguir a actividade específica dos serviços mais amplos associados a essa actividade.

O turismo de natureza ou nos espaços naturais é uma categoria abrangente que apresenta alguns elementos de diversas formas de turismo tal como o ecoturismo, o turismo de aventura e o turismo sustentável. “Pode ser entendido como “tourism experience in nature, activity-based but with differing levels of involvement and physical engagement” (Vespestad e Lindberg, 2010:04).

Rinne e Saastamoinen afirmam que o turismo nos espaços naturais significa “visiting places in which natural amenities and characteristics are the most important attraction and/or tourist activities are situated and performed in a natural environment” (Rinne e Saastamoinen, 2005:90).

Valentine (1992) por seu turno menciona que o turismo está relacionado com o desfrute de alguns elementos da natureza, evidenciando-se aqui o elemento recreativo. As experiências e actividades tidas no seio deste segmento basear-se-ão na apreciação da natureza e, ainda, na medida em que as experiências de viagem dependerão da natureza.

As definições apresentadas anteriormente mostram que o turismo nos espaços naturais está associado a actividades de lazer que ocorrem em diferentes espaços, e os elementos chave são os visitantes e as experiências de ou na natureza.

(…)

A importância das campanhas promocionais e dos imaginários

Numa aula de Imaginários Turísticos discutia-se a importância das campanhas promocionais, dos imaginários como elementos fulcrais na escolha de determinado destino. Hoje deparo-me com um exemplo que poderá ser um case-study daqui a umas semanas. A DRT lançou recentemente uma campanha no Canal Eurosport no qual se promove a Ilha da Madeira como destino activo. Poderia teorizar sobre isto mas não é o momento. O que sobressai é efectivamente um vídeo no qual se mostram as inúmeras potencialidades de um destino, o qual foi objecto da minha tese de doutoramento. E posso finalmente dizer, que este video é suficiente para chamar os ‘walkers’ e/ou ‘hard-walkers’ dos vários mercados.