Sobre mim

12108940_1207359115947875_5211804687755592328_n

 

Sou uma antropóloga madeirense, licenciada e mestre em Antropologia  pelo ISCSP – Universidade Técnica de Lisboa. Doutora em Turismo pela Universidade de Évora com um trabalho sobre as Levadas da Madeira como recurso turístico.

Para além de exercer funções docentes no ISCSP, sou investigadora no CAPP – ISCSP e colaboradora no CIERL- Universidade da Madeira. Desde 2015 sou Visiting Academic no Multidimensional Tourism Institute – University of Lapland  ao abrigo do Programa de Mobilidade Erasmus.

Áreas de Interesse:

Antropologia do turismo, cultura material, recursos hídricos, memória cultural, património, turismo, imaginários turísticos, turismo e alterações climáticas.

Recentemente integrei a lista de membros da European Association of Social Anthropologists, na área do turismo e da antropologia e desastres.

Pertenço igualmente à ‘Research Network Tourism Contact Culture’ desde 2009, bem como à Associação Portuguesa de Antropologia.

Sobre o meu trabalho em projectos de investigação, visitem o link: https://filipafernandes.wordpress.com/as-minhas-investigacoesos-meus-projectos/

Poderão seguir o meu trabalho nos seguintes espaços:
1) Academia.edu
http://ulisboa.academia.edu/FilipaFernandes

2) Anthropology of Tourism Interest Group
http://www.anthropologyoftourism.net/members.html#f

3) Open Anthropology Cooperative
http://openanthcoop.ning.com/profile/FilipaFernandes?xg_source=activity

4) EASA Disaster and Crisis Anthropology Network (DICAN)

http://www.easaonline.org/networks/dican/index.shtml

Para além disto, sou atleta de competição master em natação na Gesloures.

18 thoughts on “Sobre mim

  1. Vou para a Madeira domingo (6.3.2011) até 4ªf. (09.03.2011) e gostava de fazer um percurso numa levada. Qual me aconselharia? É necessário levar um guia ou pode-se fazer por nós próprios?
    Obrigado desde já pela sua atenção

    • Boa tarde,
      Há vários percursos acessíveis: levada do caldeirão verde, o rabaçal, etc…
      Costuma caminhar, pratica actividade física, se sim, pode fazer alguns mais longos, se não, há outras opções.
      Se quiser integrar-se num grupo, convém contactar algumas empresas de animação turística locais (posso indicar algumas).
      Alguns percursos podem ser feitos sem guia, mas nunca só, ou seja, leve sempre alguém, nunca caminhe só por uma questão de segurança.
      Espero ter sido útil. Caso pretenda, pode entrar em contacto comigo para o meu email: filipafernandes1@gmail.com

  2. de facto as levadas da Madeira … são a base da mudança do paradigma do turismo da Madeira !!! esse terá que ser o caminho para a diferenciação de uma oferta que até então é mais do mesmoi sendo inclusive concorrida por outros destinos muito mais competitivos … o que relega a Madeira (actual) para uma falência óbvia😉

    • As levadas são um produto diferenciador, porém, o seu tratamento regional (actual) não é o melhor: desarticulação da actividade dentro do sistema turístico regional, várias estruturas orgânicas com responsabilidades na gestão das levadas, etc…
      Na minha tese de doutoramento irei propor outras alternativas àquilo que existe (que é muito pouco). Mas sobre isto podemos falar melhor, para tal basta marcar reunião/encontro.

      • de facto não posso estar mais de acordo !!! apenas discordo no espaço temporal … i.é., nãopode ser no médio prazo … terá que ser para ontem :):):)

      • na minha opinião (e sou um curioso por “estas” coisas da sutentabilidade dos territórios) acho muito interessante diversificar … contudo deveremos ter sempre presente a necessidade da autenticidade da oferta !

  3. quero ainda deixar-lhe ainda felicitações por ter escolhido um tema não só com imenso propósito, como actual e de uma pertinência brutal para a 2ª vida do Turismo da Madeira !!! … quanto ás levadas … a par da laurisilva são de facto o que a Madeira tem😉

    • Muito obrigada.
      A Madeira tem isto e muito mais relacionado com o verde. Há um projecto (conjunto das 3 autarquias do norte) em gaveta acerca da ‘costa da laurissilva’, que propõe uma ideia diferente daquela proposta pelo POT. A ver vamos se a médio prazo teremos a consolidação de novos produtos….

      • é critico para aquele a sustentabilidade daquele território !!!

        não sei se viu o artigo do Publico – P2 de sábado dia 9 de Julho cujo titulo é “vivem num espaço reconhecido pela UNESCO e desconhecem o seu valor” … este é de facto o paradoxo que aquela região vive😉

  4. Olá , estou a fazer a minha tese do Mestrado de Higiene e Segurança Ocupacional , sobre o risco de Lesões músculo-esqueléticas nos trabalhos de recuperação de levadas , e ando a fazer a pesquisa bibliografica sobre o tema das levadas, será que me podes ajudar , uma vez que desenvolveste a tua tese de doutoramento nesta área?
    O meu e-mail é carlaramosneves@gmail.com

    Obrigada

    • Obrigada Raquel! Eu nasci no Jardim Flutuante. As levadas constituem o meu objecto de estudo da minha tese de Doutoramento. São fantásticas, maravilhosas! Um óptimo produto turístico!😀

  5. Olá Filipa!
    Antes de mais quero dar-lhe os parabéns por este seu espaço.
    E aproveito para lhe questionar quais as empresas que recomenda para fazer uma levada?
    relativamente à rede de transportes, é da sua opinião a necessidade de alugar carro para ver a ilha?
    Muito obrigada.
    Melhores cumprimentos!

    • Boa tarde Andreia,
      Obrigada pelas simpáticas palavras.
      Existem várias empresas no mercado as quais poderei recomendar com todo o gosto.
      Quanto à rede de transportes: depende dos gostos de cada um e daquilo que se pretende ver e/ou fazer. Poderá alugar um carro, sendo mais cómodo e tendo mais liberdade. Mas se utilizar os transportes públicos também poderá ficar bem servida, vai é depender dos locais que queira visitar.

      Cumprimentos,
      Filipa Fernandes

  6. Achei muito interessante este Blogue. Recentemente iniciei um trabalho (básico), que toca exactamente no tema as Veredas e Levadas na ilha da Madeira! A questão de partida prévia que irei colocar será: O Turismo de Natureza e os Percursos Pedestres podem ou não ser uma alternativa ao Turismo Tradicional do Funchal. Já tenho bibliografia do Professor doutor Raimundo Quintal Do CEG uma vez que também realizou estudos sobre este tema. A Filipa, poderia dispor de algum do seu tempo ou dar pistas por onde procurar dados relativos ao tema, uma vez que tem tese de doutoramento sobre o tema? Já investiguei dados estatísticos da região da Madeira e INE mas infelizmente, talvez por falha minha, não encontro dados específicos.

    Cumprimentos, Ivo

      • Boa Noite Filipa,
        Desde já agradeço a disponibilidade e ajuda!
        Mey contacto:ivopinto.tp6@gmail.com

        cumprimentos, Ivo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s